domingo, maio 08, 2011

uma linha.

um traço em todas as direções – de seus dedos a não-sei-mais-onde – sem a certeza de alcançar alguém, uma poética cotidiana que todos praticam… as palavras se dissipam em rede: multiplicação às cegas, divisão por zero? todos os oceanos são, hoje, letra.

daqui ao infinito (isto é: daqui a lugar algum).

3 comentários:

  1. http://www.youtube.com/watch?v=OmSbdvzbOzY

    ResponderExcluir
  2. essa é umas das coisas que ce escreveu que eu mais gostei.

    ResponderExcluir