terça-feira, dezembro 23, 2008

Retirada.

Sei que é perda de tempo, mas ganho tempo – ao mesmo tempo – falando, por que não?, sobre o tempo. Você me quer entre suas pernas; pena, não desejo nada seu, minhas tropas recuam cuidadosamente enquanto menciono o calor absurdo – este Sol ainda me fará matar alguém, juro! – e tento ignorar seus olhos de vanguarda. Fuzis apontados entre minhas sobrancelhas, e eu, sobranceiro, discorrendo sobre nuvens pesadas e assustadoras.
Já alcancei a primeira trincheira, nos escondemos atrás de sacos de areia com as metralhadoras à mão, agora tenho confiança suficiente para fitar-lhe o rosto como um amigo, apenas um amigo, amigavelmente cedo-lhe o tempo de falar. Seus soldados estão estacionados, você apenas concorda com tudo que eu disse – o aquecimento global é um horror, e assim vai –, então também se cala.
Minha fuga alcança os navios, todo o meu exército em retirada nas docas: voltaremos para nosso país; derrotados, mas livres. Está tão quente, você diz, que nós, seus aviões decolam, poderíamos, vejo-os claramente no horizonte, tomar um banho, eles vêm ao meu cais, juntos, as bombas em queda-livre, meu amor, a morte.

9 comentários:

  1. Texto inédito de fevereiro deste ano.

    ResponderExcluir
  2. Napolião ciorgulha.
    (não)

    ResponderExcluir
  3. Quando eu fui ler (às vezes eu faço isso), eu copiei o texto e colei no Word pra não ficar tão evidente que eu estava lendo um blog no trabalho.

    Só que eu acabei perdendo os itálicos e tal. Acho que ficou melhor.

    ResponderExcluir
  4. Ricardo? Ricardo da minha sala? A internet é infinita mas dá pra diminuir pelo Google, e achei seu blog, q nunca tinha visto.Gostei, pelo menos.

    ResponderExcluir
  5. Era só ver meu perfil no orkut, haha.

    ResponderExcluir
  6. Gostei muito, é seu tipo de texto que mais gosto, e credo, parece que suas experiencias cinematograficas influenciam cada vez mais seus textos, ou não, voce sempre foi assim, e tem varios vieses criativos...

    e ah, gostei muito, me deu muita vontade de escrever agora!

    ResponderExcluir
  7. Acho que você não pode falar d'uma espécie de intoxicação cinematográfica, pelo menos não nesse texto aí.

    Como eu disse, e era verdade, o texto é do começo do ano passado!

    ResponderExcluir